Arquivos

Posts Tagged ‘linux’

Pequenos comandos que podem salvar o seu dia

outubro 17, 2009 3 comentários

Olá pessoal!

Hoje vou trazer uma lista de comandos que podem te ajudar a resolver pequenos problemas ou até mesmo te ajudar a tirar dúvidas sobre seu computador no Linux.

No ambiente Windows, até onde eu sei, quando você precisa descobrir determinados aspectos do seu desktop (temperatura da CPU, quantidade de slots de memória, modelo de processador) é necessário instalar um software (AIDA, Everest) pois o SO não te dá essas informações. Já no Linux, você pode obter essas informações facilmente!

Obtendo informações sobre a memória RAM

Essa é fácil e provavelmente todos já conhecem:
cat /proc/meminfo
A saída é bem completa, não acham?

Descobrindo o processador

Uma das coisas mais chatas em um computador lacrado é a impossibilidade de saber qual a marca da placa-mãe, chipset, slots e tudo mais. Dá para descobrir o modelo exato do processador sem instalar nada, só usando:
cat /proc/cpuinfo
O resultado é tão completo que informa até mesmo as flags que seu processador suporta, como por exemplo vmx, que é uma flag informando que seu processador é preparado para utilizar virtualizações com o Xen.

Verificando a temperatura do processador

Até isso é possível! Saca só:
cat /proc/acpi/thermal_zone/THM/temperature

Listar dispositivos USB e PCI

Para dispositos USB:
lsusb
Para PCI:
lspci

Verificar quais discos foram detectados

O HD está lá, dentro do gabinete mas você não o encontra no sistema? Será que ele foi corretamente detectado? Vejamos:
fdisk -l
Este comando deve ser usado com permissões de root. Use o sudo caso use Debian/Ubuntu.

Bom, por enquanto tá bom, com essas dicas já dá pra se virar com muitas questões!

Espero ter ajudado, abraços!

Categoriasbash Tags:, , ,

Truques no Linux que você provavelmente não usa

fevereiro 15, 2009 4 comentários

Continuando com dicas de comandos no Linux, achei um artigo bem interessante e resolvi colocá-lo aqui traduzido.

Encontrando PID com pgrep
Usando pgrep você conseguirá visualizar o PID relacionado à todos os processos em execução. Por exemplo, você quer saber qual o PID (número de identificação do processo) de SSH, pra ver quantas instâncias de SSH você está rodando, daí é só usar:

pgrep ssh

Dessa forma, todos os PID associados ao ssh serão listados, ficando mais fácil encerrar o processo com um comando como o kill por exemplo.

Executar o último comando executado no terminal
Tá, não consegui fazer ficar tão claro o título mas ele faz realmente isso, executa o último comando que você fez no terminal.

!!

Ganha um bom tempo sem precisar ter que digitar todo o comando novamente.

Executar o último comando iniciado com...
Bem prático este aqui também, executa o último comando iniciado com alguma letra que você especificar.

!r

O último comando executado iniciado com a letra r, será executado novamente.

Rodar um comando repetidamente exibindo o resultado
Essa é combinando dois comandos, watch e ls. O comando watch faz com que um comando seja executado a cada 2 segundos. É bem parecido com tail.

Vou dar um exemplo prático, você precisa monitorar uma pasta para ver as mudanças que podem ocorrer nela, como arquivos gravados, apagados etc. Poderia ser usado o seguinte esquema:

watch -d ls -l

A cada 2 segundos, o comando ls será executado, mantendo você a par das modificações.

Salvar rapidamente um arquivo no vi/vim
Uma tecla de atalho na verdade. Na pressa de terminar um arquivo no vi ou vim:

Segure Shift e aperte z duas vezes
Dessa forma, você sai do editor e ainda salva o arquivo.

Logout rápido no terminal
Acho que essa a maioria conhece, é só fazer:
CTRL+D

Deletar uma linha inteira de comandos
Essa eu tive que aprender na raça, pois odiava ter que apagar um comando gigante inteiro com backspace.

CTRL+U

Pronto, a linha está apagada.

Por hoje é só! Comentem outros comandos de grande utilidade!

Categoriasbash Tags:, , ,

Dica Rápida – Como esvaziar a Lixeira no Ubuntu via linha de comando

fevereiro 8, 2009 4 comentários

Uma dica rápida descoberta na madrugada! Eu precisava apagar alguns arquivos do server e como não tenho interface gráfica, não sabia como fazer.. mas agora eu sei:
rm -rf ~/.Trash/*

Pronto, assim você esvazia a Lixeira! Legal isso, falou galera!

Categoriasbash Tags:, ,

Hábitos que todo usuário Linux deveria ter

fevereiro 6, 2009 3 comentários

Indico 3 dicas que poupam tempo, recursos e demonstram ainda mais o poder do bash!

    1. Crie árvore de diretórios de uma só vez!

É muito comum, na necessidade de criação de diretórios e sub-diretórios, o uso do comando mkdir de forma não muito inteligente:
$ mkdir Fotos
$ cd Fotos
$ mkdir Viagens
$ cd Viagens
$ mkdir Viagens no Exterior

Este é um exemplo de mau uso do mkdir, se você quer criar várias sub-pastas, use o parâmetro -p:

$ mkdir -p Fotos/Viagens/Viagens no Exterior/

    2. Descompactar pacotes .tar em pastas separadas

Este eu cometo direto. Ao invés de já mandar e descompactar o pacote para onde eu quero, não, eu simplesmente recorto o pacote para a pasta que desejo e depois uso a descompactação. Mas existe a opção -C que já descompacta o pacote .tar para onde você quer:
$ tar -xvf /home/junin/Downloads Naruto_435HQ.tar.gz -C /home/junin/mangás/Naruto

    3. Combinar comandos

Usar mais de um comando de uma só vez é uma boa sacada! Não precisa ter medo, só mandar bala!
$ cd Documentos/PDFs && tar -xvf Apostila_ShellScript.tar.gz

Neste caso, o conteúdo do pacote Apostila_ShellScript será descompactado na pasta PDFs somente se esta existir. Se a pasta não existe, nada acontece.

Enviem sugestões!

Categoriasbash Tags:, , ,

Adicionando espaço swap sem formatar

Olá!

Voltei e vou compartilhar com vocês um problema pelo o qual recentemente passei com o meu notebook com Ubuntu 8.10.

Usando o gparted, removi o swap para gravar arquivos importantes mas logo depois me dei conta, como posso adicionar espaço swap sem ter que formatar o disco?

Fuçando um pouco, achei em blogs gringos a dica e vou colocar aqui pra galera!

Primeiro, defina aonde ficará localizado o swap. Eu coloquei no / mesmo. Veja o comando que foi utilizado para criar o espaço swap de 1GB. Tem que estar logado como root ou usar sudo!

junin@bahamut:/$ sudo dd if=/dev/zero of=/swap.img bs=1024k count=1024

Explicação de cada parâmetro:
dd: comando básico do bash, faz uma cópia integral de um arquivo, bit a bit. Neste caso vou copiar o arquivo /dev/zero. Todo o restante faz parte do comando dd, são os parâmetros dele, não são comandos diferentes!

of:qual será o nome do arquivo resultado da cópia. Dei o nome de swap.img.

bs: outra opção do comando dd, significa BIT SIZE. Será um arquivo na casa dos gigabytes, então 1024k (pra facilitar, está em kilobytes)

count: digamos que este seja o tamanho do arquivo, 1024. Como informei que quero blocos de 1024 kilobytes e quero 1024 no tamanho do arquivo, o resultado final será 1 gigabyte.

Assim, eu tenho o arquivo que servirá de swap.

Preciso formatar este arquivo com o tipo swap, saca o comando:
junin@bahamut:/$ sudo mkswap /swap.img

Agora informo que ele será usado como espaço swap pelo sistema:
junin@bahamut:/$ sudo swapon /swap.img

Para que ele seja usado como swap toda vez que inicializar o sistema, temos que mexer no fstab:
junin@bahamut:/$ sudo vim /etc/fstab

No final do fstab, adicione a seguinte linha que informa que ele deve ser usado e montado durante a inicialização do sistema:
/swap.img none swap sw 0 0

Prontinho! Agora você tem um novo arquivo que servirá de partição swap no Linux sem ter que reinstalar o sistema todo!

Categoriasbash Tags:, , ,

Comando do dia – ls

Vou inaugurar uma nova seção aqui no blog, intitulada de “Comando do Dia”. Cada dia irei postar um comando novo do bash Linux e dar algumas dicas e exemplos de uso para o comando. Espero poder atualizar essa seção constantemente!

O bash do Linux é incrivelmente poderoso, qualquer tarefa pode ser realizada através dele e mais cedo ou mais tarde, alguém vai te indicar a fazer determinada tarefa pelo terminal. Não há nada a temer, ele é amigável, basta saber um pouquinho de inglês e está tudo ok.

ls  – lista o conteúdo dos diretórios ou pastas

Para quem já utilizou DOS, para ver o contéudo de uma pasta, usamos o comando “dir”. Mas e no Linux, qual o comando equivalente? É ls.
Vamos lá!

Partindo do princípio que você já abriu o terminal, mande um ls:

junin@odin:~$ ls
Desktop  Documentos  Examples  Imagens  Modelos  Músicas  Pública  Vídeos

A resposta logo é exibida, o conteúdo do diretório atual, no caso /home/junin (o sinal de ~ indica a pasta home do usuário atual)

Vamos colocar mais opções:

junin@odin:~$ ls -a
.
..
.adobe
.bash_history
.mozilla

E assim vai, mostrando todos os diretórios.

Utilizando a opção -a, tudo é exibido na tela, inclusive os arquivos e pastas ocultos, estes iniciados com .

Humm mas agora eu quero ver o conteúdo da pasta por ordem de alteração de conteúdo:

junin@odin:~$ ls -t
Documentos  Desktop  Imagens  Modelos  Músicas  Pública  Vídeos  Examples

Pode se combinar também as opções:

junin@odin:~$ ls -t

Irá mostrar todos os arquivos ocultos em ordem de alteração! Legal né?

Tente outras opções e veja os resultados! Experimente a combinação ls -hl, ela irá retornar todos os arquivos em forma de lista e informando o tamanho de cada arquivo!

Procure usar bastante as opções e o comando ls, logo você irá decorá-lo (o que não é difícil)

E não deixe de usar o comando man! Use man ls para descobrir as outras opções!

Exercícios para reforçar
Com o comando ls, tente obter os seguintes resultados:

  • Exibir o tamanho de cada arquivo na ordem de alteração
  • Exibir os diretórios separados por vírgula
  • Exibir os diretórios na ordem contrária, da última letra para a primeira.

Na próxima atualização, os resultados destes exercícios!

Categoriasbash Tags:, , ,

Favoritos 2007: A Comunidade Livre agradece

Iniciou-se faz algum tempo, a votação da Br-Linux dos melhores acontecimentos, personalidades e tudo mais que envolve a comunidade do Software Livre. Todo ano a votação é amplamente divulgada e sempre há brindes para os sorteados através de parceiros e colaboradores do site.

Link para a votação – AQUI

Vote também nos Favoritos 2007, quem sabe você não ganha um brinde?
Espero que eu ganhe algo este ano!


Digg it! Compartilhar no Del.icio.us Adicionar ao Live Favorites Compartilhar no Google Bookmarks Compartilhar no Reddit Compartilhar no Ma.gnolia Compartilhar no Facebook Compartilhar no Technorati Compartilhar no Yahoo MyWeb Stumble It! Compartilhar no rec 6 jump, conteúdo grátis!

Atualizando para Fedora 8 sem DVD

novembro 21, 2007 3 comentários

Recentemente, atualizei o meu Fedora 7 Moonshine para o Fedora 8 e fiz a atualização via imagem .iso que baixei, sem necessidade de gravar uma mídia. Esse roteiro não é nem um pouco original e serve para instalar/atualizar qualquer distribuição Linux a partir de uma imagem .iso. Só será necessário que você já tenha um sistema *nix instalado no computador e o gerenciador de boot GRUB configurado.

Leia e faça cada um dos passo com atenção, copiar e colar não vai dar certo ;D

Após ter feito o download da imagem .iso da distribuição, será necessário montá-la para que o Grub reconheça o formato:

#mkdir /mtn/isoimage
Cria a pasta para guardar a imagem .iso na pasta /mnt. Poderia ser qualquer outro local mas eu prefiro no /mnt

# mount -t iso9660 /coloque o caminho para a/imagem/image.iso /mnt/isoimage/ -o loop
Monta a imagem com o formato iso 9660 – formato de CDs e DVDs especificando onde ela está e usando o loop device, um espaço temporário de montagem para guardar a imagem

#cd /mnt/isoimage
No coments né? :D

Dentro da pasta /mtn/isoimage que criamos antes, certamente teremos a pasta isolinux, que é a imagem da distribuição montada e pronta para ser utilizada.

Copie agora a pasta para o local de instalação, no meu caso, eu copiei ela para uma nova pasta que criei, pois devo informar o caminho completo para a mesma via linha de comando quando for instalar. Seria muito trabalhoso ter que informar um caminho gigante.

#mkdir /tempo

Essa foi a pasta que criei temporariamente para a instalação.

# cp -R isolinux /pasta/que você vai guardar a iso/

Esse comando tem que ser feito dentro da pasta /mnt/isoimage, para que copie todas as pastas recursivamente para o caminho indicado.

Agora desmonte a imagem e apague a pasta:

#umount /mnt/isoimage

#rm -rf /mnt/isoimage

Precisamos copiar a imagem “cru” que baixamos para a mesma pasta onde guardamo a isolinux. Isso para que seja feita a instalação corretamente, a isolinux vai servir para dar o boot e o restante são os arquivos da própria distribuição.

#cp /pasta/onde/tem/a iso original que foi baixada.iso /local/onde/você/guardou/a isolinux

Aguarde..

Depois da cópia, só necessário configurar o grub para que ele encontre a isolinux e dê o boot a partir dela. Adicione essa linha no /etc/grub.conf de acordo com sua partição, vou colocar a minha de exemplo:

title Instalar Fedora 8

root (hd0,0)

Especifique qual partição se encontra a imagem, no meu caso, está na partição 1 do disco master, só tenho 1 HD

kernel /tempo/isolinux/vmlinuz root=LABEL=/

Eu coloquei a isolinux na pasta que eu criei lá atrás, a tempo. Coloque aqui a pasta que você guardou a isolinux junto da iso original

initrd /tempo/isolinux/initrd.img

Aqui é a mesma coisa, somente temos que informar a initrd, que está dentro da pasta isolinux.

Essa foi as linhas que adicionei no final do grub.conf. O resultado final deve conter ainda a linha que informa sua instalação Linux anterior e o caminho para a instalação.

Reinicie o micro e na tela do Grub, já deve aparecer a entrada “Instalar Fedora 8″. Caso não apareça ou uma mensagem de erro apareça informando que não é possível encontrar boot partition, verifique novamente se você inseriu corretamente as informações no grub.conf, o mais comum é errar a partição a ser usada. Confira esta lista:

/dev/sda1——————————–hd0,0 (meu HD é SATA e é master, então tenho que colocar no grub hd0,0

/dev/sda2——————————–hd0,1
/dev/sda3——————————–hd0,2
/dev/sda4——————————–hd0,3
/dev/sda5——————————–hd0,4

/dev/sdb1——————————–hd1,0
/dev/sdb2——————————–hd1,1
/dev/sdb3——————————–hd1,2

Inicie por ela e siga mais estes passos:

  1. Selecione o idioma
  2. Selecione o layout do teclado
  3. Escolha a opção “Instalação via Disco Rígido”
  4. Informe o caminho para a pasta que contém a imagem:

No meu caso é: /tempo/

Só prosseguir com a instalação normalmente. Não sei, mas aqui demorou bem mais para atualizar do que para instalar do zero viu.. a única vantagem é manter os programas e configurações anteriores e obter novos recursos. Essa foi a primeira vez que atualizei o Fedora, então pode ser que não esteja apto a falar sobre isso.

Boa sorte na atualização! Qualquer erro, comentem please, primeira vez que posto um mini how to, então, posso ter “comido” algumas partes ^^


Digg it! Compartilhar no Del.icio.us Adicionar ao Live Favorites Compartilhar no Google Bookmarks Compartilhar no Reddit Compartilhar no Ma.gnolia Compartilhar no Facebook Compartilhar no Technorati Compartilhar no Yahoo MyWeb Stumble It! Compartilhar no rec 6 jump, conteúdo grátis!

Mandriva realiza Install Fest mundial

Para comemorar o lançamento do Mandriva Linux 2008, a Mandriva estará realizando em vários países e no mesmo dia, Install Fest desta nova versão. Não é a primeira vez que a empresa realiza Install Fest de sua distribuição Linux, no ano passado tivemos o Install Fest da versão 2007 e no ano de 2005, a instalação da versão 2006 (época que a empresa se chamava Mandriva Conectiva ainda).

O evento Install Fest é um encontro organizado por um grupo de usuários, comunidade ou empresas para instalação de uma distribuição Linux nos computadores dos visitantes do evento. Para isso, é necessário levar apenas a CPU e alguns periféricos de uso casual para configuração extra (impressoras, scanners e teclados que não sejam do formato ABNT2, por exemplo).
Este tipo de evento tem crescido bastante no Brasil, devido à crescente onda de distribuições “amigáveis” de fácil acesso, como Ubuntu, Mandriva, Fedora (eu considero todas amigáveis, por isso as aspas).

Além da instalação, é possível também tirar quaisquer dúvidas referentes ao programa a ser instalado e sobre o Linux em geral. Mesmo que você não vá instalar a distribuição, pode participar tirando dúvidas dos novatos ou até mesmo perguntando aos “mais experientes”.

Uma dica: Efetue backup de todas suas informações (ainda mais se você for utilizar em dual-boot) e leia as condições da instalação. O serviço do Install Fest é referente apenas à instalação e não à manutenção ou correção de problemas posteriores à instalação.

Confira aqui quais cidades participarão do Install Fest do Mandriva Linux One 2008

Gostaria muito de comparecer ao Install Fest em São José dos Campos mas irei trabalhar no dia, então, não será possível eu comentar sobre o assunto. Avisando que no dia 27 de novembro, em Jacareí, iremos realizar Install Fest do Ubuntu 7.10. Em breve darei mais detalhes sobre o pequeno evento que vamos realizar.


Digg it! Compartilhar no Del.icio.us Adicionar ao Live Favorites Compartilhar no Google Bookmarks Compartilhar no Reddit Compartilhar no Ma.gnolia Compartilhar no Facebook Compartilhar no Technorati Compartilhar no Yahoo MyWeb Stumble It! Compartilhar no rec 6 jump, conteúdo grátis!

Conisli 2007 superou o evento de 2006 – Parte II

novembro 17, 2007 2 comentários

Logo após o almoço, as atividades principais do evento, as palestras, foram retomadas. Me atrasei um pouco devido à falta de conhecimento sobre o local, eu não sabia onde havia restaurantes para almoçar, até que um segurança me orientou.

PenTest – Técnicas de Ataque e Defesa

Palestrante: Cleber Souza Brandão

O nome da palestra me chamou a atenção e da grande maioria, foi uma das palestras que mais encheu. Cheguei um pouco atrasado mas consegui pegar ainda um pouco a palestra. Cleber mostrou como alguns softwares podem ser usados para ataques, como o Nassus, Meta Sploit, John The Ripper entre outros. Muito do que foi dito, acredito que já era de conhecimento geral da platéia, o que não chegou a empolgar mas também não tirou a atenção da maioria. E as dicas de defesa foram longe do esperado. Enfim, a palestra não atingiu minhas expectativas.

Joomla! Um CMS flexível e poderoso

Palestrantes: Júlio Pontes e Márcio Okabe

Nesta palestra eu esperava ver exemplos de como utilizar o Joomla! já que ultimamente ele ultrapassou o Mambo (do qual ele é, digamos, “derivado”) e conquista muitos usuários, apesar de estar na versão 1.0.13 (já existe a versão 1.5 mas está no RC 3 ainda). Márcio Okabe soube anunciar seu produto e defender o mesmo com muita firmeza, diferente de seu colega Júlio Pontes, que demonstrava nitidamente inexperiência com palestras e muito nervosismo. As extensões do Joomla! são os atrativos e existem alguns em pt_BR, o que facilita muito a integração para os não ambientados na língua inglesa. Faltou mais demonstrativos e estudos de caso mas o tempo não permitiu também.

Virtualização: Como virtualizar servidores Linux e reduzir custos na infra-estrutura de servidores

Palestrante: Marco Sinhoreli

Palestra do patrocinador também, desta vez a Utah NetWorxs. Apresentando o SuSe Enterprise Linux como base e o Xen como ferramenta de virtualização, Marco (que é funcionário da Novell) traçou como é o funcionamento do Xen em especial no SuSe. Mostrou várias máquinas virtuais sendo utilizadas dentro de dois notebooks e ainda rodando Compiz/Beryl. Algo fantástico mesmo, onze máquinas rodando serviços diferentes. Foi a melhor palestra e demonstração de Xen que já vi, ano passado no Conisli mesmo, vi outra palestra só que não foi tão interessante assim.

No final da palestra, Marco fez uma pergunta que valeria um DVD do SuSe Enterprise Linux 10 Desktop e Server para quem acertasse. Eu não poderia errar:

- O SuSe foi a primeira distribuição Linux a suportar 7 arquiteturas de processadores. Quais são elas?

Prontamente eu levantei a mão, meu colega Sinval e mais 2 pessoas da platéia.

Marco então apontou e disse para mim: “você vai dizer agora então.”

E então comecei:

- x86, x64, SPARC, PowerPC..

Sinval falou pra mim: “ALPHA”.

- Alpha! Peraí qeu tá lembrando…

E eu não conseguia lembrar as restantes! E então Marco declarou: “quem falar mais uma arquitetura, leva o prêmio!”

Só piorou eu fiquei mais ansioso e nada vinha na minha cabeça até que…

- Mainframes?

- Certo! Vem cá receber seu prêmio!

Não, não fui eu. Um cara no fundo disse. Eu queria matar o cara, não acredito que após ter tido quase todos eu perdi. Mas tudo bem, valeu a palestra!

Web Design com Software Livre

Palestrante: Eduardo Ferreira dos Santos

Enfim a palestra que eu estava esperando antes do evento.O palestrante é professor de Web Design na Microcamp e trabalha bastante o desenvolvimento dos alunos, para que atinjam um nível bom de designer para aí sim, mostrarem seus trabalhos na web. Eu esperava uma palestra mostrando aplicações, exemplos, comparativos e como tornar viável o desenvolvimento web com ferramentas de software livre. Mas não foi isso que eu assisti. O que assisti foram contos da profissão, ensinar o conceito e “não associar a criação à ferramenta”, algo que eu vi na palestra sobre Inclusão Digital. Bom, tudo bem, eu posso ter me enganado e imaginado outra coias, mas não foi o que eu esperava.

Fim de evento, é hora de ir para casa. Não ganhei nenhum sorteio mas o que valeu foi que aprendi ainda mais sobre Software Livre.

Agradeço muito à Rodolfo e ao Rafael, por trabalharem na realização do evento e por concederem credenciais pra mim e para o Sinval. Sem vocês, estaríamos perdidos! Muito obrigado!

Parabéns à todos que ajudaram, compareceram, enfim, de alguma forma estiveram ligados aos 3 dias do Conisli 2007! Até o ano que vem!


Digg it! Compartilhar no Del.icio.us Adicionar ao Live Favorites Compartilhar no Google Bookmarks Compartilhar no Reddit Compartilhar no Ma.gnolia Compartilhar no Facebook Compartilhar no Technorati Compartilhar no Yahoo MyWeb Stumble It! Compartilhar no rec 6 jump, conteúdo grátis!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.